domingo, 26 de julho de 2015

Marinha russa prioriza flotilha de submarinos classe Varshavyanka para o Mar Negro


A posição estratégica do Mar Negro, que, situado no centro-sul da Europa, banha nada menos do que seis nações europeias – as Repúblicas da Ucrânia e da Georgia entre elas –, levou a Marinha da Rússia a priorizar a organização nessas águas, até 2020, de uma flotilha de seis submarinos de ataque convencionais modernos, classe Varshavyanka – derivada do chamado Projeto 636 (ou Kilo modernizado, como é mais conhecido no Ocidente).

Dois desses navios – o Novorossiysk (B-261) e o Rostov on Don (B-237) – já foram entregues, e o terceiro – batizado Stary Oskol (B-262) – foi lançado pelos estaleiros do Almirantado, na cidade de São Petersburgo, a 28 de agosto de 2014. Sua chegada ao Mar Mediterrâneo, pronto para se unir à Frota do Mar Negro, está prevista para o ano que vem.

No início do mês, o chefe da Marinha russa, almirante Viktor Chirkov, disse a uma plateia formada por oficiais submarinistas e de navios de superfície: “o avanço da construção de seis submarinos diesel-elétricos do Projeto 636 destinados à Frota do Mar Negro está sob supervisão constante do Alto Comando”.
Profundidades – Apesar de constituir um “mar interior”, o Negro – de 436,4 mil km² – não impõe restrições importantes à navegação dos submarinos. Ao contrário. Em alguns pontos suas cavidades subaquáticas alcançam os 2.206 m, cerca de 6,5 vezes a profundidade que um Varshavyanka pode atingir.

Deslocando pouco mais de 2.000 toneladas, o navio do Projeto 636 navega na superfície à velocidade de 11 nós, mas, submerso, alcança 20 nós. Ele é também extremamente silencioso, e capaz de se manter em patrulha por 45 dias ininterruptos, sem sacrificar de forma exagerada os seus 52 tripulantes. O navio transporta 18 torpedos e oito mísseis superfície-ar.

Em seu maior percurso, o Mar Negro se estende, de leste a oeste, por cerca de 1 175 km. Os mares Egeu e Mediterrâneo fazem a ligação do Negro com o Atlântico. O Estreito de Bósforo conecta as suas águas às do Mar de Mármara, e o estreito de Dardanelos o liga à região do Egeu.

A frota russa do Mar Negro está, nesse momento, formada por cerca de 40 embarcações de superfície (incluindo as confiscadas, ano passado, à Marinha ucraniana) e três submarinos: os dois Varshavyanka e um diesel-elétrico Kilo de primeira geração, o Alrosa (B-871)

Nenhum comentário:

Postar um comentário