sábado, 20 de abril de 2013

1° Batalhão de Defesa Química, Biológica, Radiológica e Nuclear




1° Batalhão de Defesa Química, Biológica, Radiológica e Nuclear





Historia

Em 31 de dezembro de 1987, a Companhia Escola de Guerra Química foi extinta e foi criada a Companhia de Defesa Química, Biológica e Nuclear, que manteve sua sede na cidade do Rio de Janeiro 
 (RJ). Sua subordinação, entretanto, passou à Diretoria de Especialização e Extensão.

      No período de setembro a dezembro de 1987, a Organização Militar deslocou-se para a cidade de Goiânia (GO) para atuar no acidente ocorrido com o radioisótopo Césio 137.
      A origem da Companhia de Defesa Química, Biológica e Nuclear (Cia DQBN) remonta ao ano de 1953, oportunidade em que foi criada a Companhia Escola de Guerra Química, aquartelada nas dependências da Escola de Instrução Especializada (EsIE). Inicialmente, a Companhia ficou subordinada ao Grupamento de Unidades-Escola (GUEs).
 Desde 1989, a Cia DQBN participa do Exercício Geral do Plano de Emergência das Usinas Nucleares de Angra I e II, em coordenação com o Plano de Emergência Complementar do  Comando  Militar  do Leste e com o Sistema de Proteção ao Programa Nuclear Brasileiro (SIPRON) do Ministério da Ciência e Tecnologia. Sua missão é apoiar as atividades de monitoração, descontaminação e evacuação da população do Município de Angra dos Reis (RJ).
 Nos anos de 2001 e 2006, a Companhia realizou a descontaminação biológica do material das tropas que cumpriram missão de paz no Timor Leste e no Haiti, respectivamente.

 Em janeiro de 2004, após breve período de subordinação à Brigada de Operações Especiais, a Cia DQBN retornou à subordinação da Diretoria de Especialização Extensão, permanecendo vinculada ao Comando de Operações Terrestres para fins de instrução e planejamento de emprego. 

      Em julho de 2007, atuando na segurança contra atentados terroristas envolvendo substâncias químicas e radiológicas, a Cia DQBN foi empregada na segurança dos presidentes dos EUA e Brasil, na proteção de Vossa Santidade o Papa Bento XVI e varreduras químicas e radiológicas nas instalações do Complexo Deodoro - Vila Militar, durante as competições desportivas dos Jogos Pan-americanos 2007 nas modalidades de hipismo, hóquei sobre Grama, pentatlo moderno e tiro.

  Em outubro de 2007, a Cia DQBN participou pela primeira vez da Operação Pantanal, na região de Campo Grande, Corumbá e Dourados, no Mato Grosso do Sul, com um efetivo de 12 militares, transportados em uma aeronave C-130 da FAB até a região do exercício. 
      Naquela oportunidade o Destacamento da Cia DQBN atuou na descontaminação de uma das instalações da Base Aérea de Campo Grande-MS, na descontaminação de um navio e tripulação da Marinha do Brasil - na região de Porto Murtinho, além da descontaminação de viaturas do EB e de tropas contaminadas, na região de Itahum.
 Também em outubro de 2007, a Cia DQBN participou Operação Aliança, na qual coube à companhia a realização de varreduras e monitoração QBN de pessoal, material e das instalações que seriam utilizadas pelo Presidente Luiz Inácio Lula da Silva e pelo então Presidente dos Estados Unidos da América, George W. Bush, por ocasião da visita do presidente norte-americano ao Brasil.
No período de 17 a 21 de novembro de 2007, a Cia DQBN participou da Convenção Internacional de Biocombustíveis na qual realizou varreduras e monitoração QBN de pessoal, material e das instalações utilizadas pelo Presidente Luiz Inácio Lula da Silva e pelas demais autoridades internacionais, por ocasião deste encontro diplomático.  
 No ano de 2008, a Cia DQBN participou, pela primeira vez em sua história, no Desfile Cívico Militar da Semana da Pátria de 07 de setembro, na cidade de Brasília - DF.~


No ano de 2009, a Cia DQBN realizou um deslocamento aeromóvel em um exercício de campanha em que foram levantadas as informações relativas ao tempo necessário para as ações perante um incidente nuclear nas Usinas Nucleares de Angra dos Reis e nas Indústrias Nucleares Brasileiras. Durante a Operação o pessoal e o material do posto de descontaminação foram deslocados em uma distância de cento e cinqüenta quilômetros utilizando quatro aeronaves do 2º Batalhão de Aviação do Exército. No decorrer das atividades ocorreram ações para o adestramento de embarque e desembarque de material, montagem e desmontagem do posto de descontaminação nuclear.

No ano de 2010, no período de 27 a 29 de maio, a companhia DQBN participou do 3° Fórum Mundial da Aliança de Civilizações. Foi uma operação real, coordenada pela Organização das Nações Unidas (ONU), em que a Cia DQBN foi empregada no contexto de operações de Varreduras e Monitoração QBN, Descontaminação de Pessoal e Material.
  A Companhia participou no período de 23 a 27 de julho de 2010, da Operação Conjunta Atlântico II. Esta Operação foi o maior exercício em conjunto já realizado, desenvolvendo-se em toda Amazônia Azul e nos Estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Espírito Santo, bem como nos Arquipélagos de Fernando de Noronha, São Pedro e São Paulo.
 No dia 05 de julho de 2011, foi realizada a varredura Química, Biológica, Nuclear e de Explosivos (QBNRe) no Centro Integrado de Operações Conjuntas (CIOC) e no Centro de Controle Operacional (CCOp), dos 5° Jogos Mundiais Militares. Na ocasião, os especialistas da Companhia DQBN, empregaram técnicas e equipamentos para realizarem o monitoramento químico, radiológico e de artefatos explosivos dessas instalações.
  A Companhia participou, no período de 15 a 19 de agosto, do III Curso Regional de Assistência e Proteção para Respostas a Emergências Químicas - CAPEQ 1. Na ocasião, a Cia DQBN foi a responsável por uma palestra sobre Planejamento e Gestão de Segurança para Grandes Eventos, por uma demonstração do Posto de Descontaminação Total e por uma prática de descontaminação de pessoal em sua Tenda Pneumática.
Por meio da portaria n° 991, de 27 de novembro de 2012, o COMANDANTE DO EXÉRCITO, no uso das atribuições que lhe conferem o art. 4° da Lei Complementar n° 97, de 9 de junho de 1999, alterada pela Lei Complementar n°136, de 25 de agosto de 2010, e o inciso V do art. 20 da Estrutura Regimental do Comando do Exército, aprovada pelo Decreto n° 5.751, de 12 de abril de 2006, de acordo com o que propõe o Estado-Maior do Exército, resolveu transformar, a contar de 1° de dezembro de 2012, a Companhia de Defesa Química, Biológica e Nuclear (Cia DQBN) em 1° Batalhão de Defesa Química, Biológica, Radiológica e Nuclear (1° Btl DQBRN), com sede no Rio de Janeiro-RJ, subordinado à 1ª Divisão de Exército.


MEIOS ATUAIS

SISTEMA DE DEFESA QUÍMICA, BIOLÓGICA E NUCLEAR DO EXÉRCITO (SisDQBNEx)


SisDQBNEx (finalidade)

O SisDQBNEx tem por finalidade capacitara Força Terrestre para o emprego nas missões de Defesa Externa, Garantia da Lei e da Ordem(GLO) e Cooperação com a Defesa Civil em ambiente operacional onde ocorra apresença e/ou a ameaça de emprego de Agentes QBN.

ASSESSORIA CIENTÍFICA (CTEx)

Equipamentos de proteção individual
Equipamentos de monitoração radiológica e química de campo

IDENTIFICAÇÃO DO AGENTE (QBN)

Identificação no campo
Identificação no laboratório
Integrantes da  Assessoria Científica



- 01 Inspetor da CTBT (Tratado do Banimento de Testes Nucleares)

- 01 Inspetor da ABACC (Agência Brasileiro-Argentina de Controle e Contabilidade de Material Nuclear)
- 01 Especialista Membro da Rede de Proteção da OPAQ


HIPÓTESES DE EMPREGO

Incidentes Envolvendo Agentes QBNR
Durante a Varredura

1)Artefato Gerador de Contaminação QBNR sem Associação a Explosivos
2)Artefato Gerador de Contaminação QBNR com Associação a Explosivos

Incidentes Envolvendo Agentes QBNRb. 
Durante a Entrada do Público

1)Pessoa Conduzindo Artefato Gerador de Contaminação QBNR sem Associação a Explosivos
2) Pessoa Conduzindo Artefato Gerador de Contaminação QBNR com Associação a Explosivos

Incidentes Envolvendo Agentes QBNR
Durante o Desenvolvimento do Evento Esportivo

1)Pessoa Portando Artefato Gerador de Contaminação QBNR sem Associação a Explosivos
2) Pessoa Portando Artefato Gerador de Contaminação Química com Associação a Explosivos



Meios Disponíveis do 1° Batalhão DQBN



Tenda de Descontaminação Italiana -Cristanini



Módulos de Descontaminação Italiano SANIJET C 921


O Sanijet está no coração de todos os nossos sistemas, descontaminação CBRN e desintoxicação.  Está disponível em diferentes versões, a fim de responder da forma mais adequada às necessidades e requisitos operacionais.  Entre as características gerais que são comuns a todos os modelos, há a possibilidade de trabalhar em total autonomia (abastecido de qualquer tipo de combustível), e em condições climatéricas extremas, com temperaturas que variam entre - 20 ° C a + 50 ° C. 

A capacidade padrão de Sanijet c.921
com os acessórios apropriados são como se segue: 

-Descontaminação CBRN e desintoxicação de 10 veículos / h 
-CBRN descontaminação de pelo menos 40-45 pessoas / h 
-Produção de vapor saturado de uma quantidade mínima de 300 l / h, a uma temperatura de 180 ° C para a descontaminação de materiais e desintoxicação CBRN e vestuário 
descontaminação e a desintoxicação do solo durante um mínimo de 15.000 m2 / h. 
-combate a incêndios





Cilindro para Descontaminação


Tenda de Vaporização


Laboratorios Moveis - Cristanini


Papeis Detectores M8
Emprego: Detecta agentes vesicantes mostarda e neurotóxico da série G e V.


Roupas de Proteção


Tenda de Descontaminação Individual -Cristanini




IBex

INSTITUTO DE BIOLOGIA DO EXÉRCITO
LABORATÓRIO DE MICROSCOPIA CLÍNICA E BACTERIOLOGIA

Denominações:
-Laboratório de Microscopia Clínica e Bacteriologia (1894);
-Laboratório Militar de Bacteriologia e Microscopia Clínica ;
-Laboratório Militar de Bacteriologia (1921);-Instituto Militar de Biologia (1932);
-Instituto de Biologia do Exército (1943)

ATUALMENTE
Com o arsenal de equipamentos o IBEx é capacitado a identificarpor métodos fenotípicos e genotípicos, diversos microrganismos incluindo aqueles constantes como agentes de bioterrorismo. Exemplo: Antrax, botulismo, Yersinia pestes 


Pelotão de Defesa Química, Biológica e Nuclear


O Pelotão de Defesa Química, Biológica e Nuclear é a fração da Bda Op Esp especializada
nos assuntos relativos às operações QBN.
O Pel DQBN assessora e orienta o preparo e o emprego da tropa em ambiente QBN, orienta e emprega os meios especializados nas operações em ambiente QBN, realiza o levantamento, identifica,
detecta e monitora os níveis de contaminação em áreas e descontamina pessoal, material e áreas sob o
efeito de agentes QBN.



Acidentes com Radiação - Goiania
13 Setembro 1987


Apenas 19,3g de Cloreto de Césio
Indivíduos monitorados : 112.800
Participação: 70 militares
Dias de trabalho: 60 dias




Matérias Relacionadas:










7 comentários:

  1. fui integrante da companhia e fico muito feliz de ver ela assim crescendo se um dia eu poder visitar eu irei 98a2000 soldado 1426 Francisco cia DQBN BRAZIL

    ResponderExcluir
  2. Gostaria de saber como um civil através do ingresso ao Exército Brasileiro poderia integrar este batalhão? Através de que graduação e de que quartel no exército.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. aí brother, eu sirvo na escola de instrução especializada, quartel onde o DQBRN se localiza dentro, pra voce servir lá, voce tenque se alistar, e depois de designado torcer pra que seja designado pra lá, ou se voce conhecer alguem grande lá dentro, fora isso amigo, não tem comoo. é questão de sorte mesmo.

      Excluir
    2. Concurso: Aman ou ESA e depois se especializar como dqbn, sendo oficial oou praça!

      Excluir
    3. servir como cabo ou soldado tem que ter a sorte e a indicação, servi la de 1992 a 1996
      passando pelos comandos dos capitães JOEL, PAULO E MARIO FILHO
      o quadro da galeria de ex cmt fui um fruto de meu trabalho em pesquisa e captação de todas as fotos ali existentes

      Excluir
  3. Fui consultor do QBN de Realengo RJ, convidado pela SIPRON de Brasilia. Naquela epoca não tinha equipamentos de descontaminação e o Brasil estava dividido entre a Kärcher da Alemanha e a Cristanini da Italia. A maior preocupação, sempre naquela epoca, era um potencial acidente em Angra dos Reis RJ. Adolfo Cristanini de Porton (Perto de Verona) ganhou a licitação, alias não teve licitação nenhuma. Foi escolha, assim como previsto, por lei. Trabalhei na Cristanini como consultor e conheço bem o projeto, a evolução e os testes dos equipamentos Cristanini, pedidos e fiscalizados por perto, pela F.A. italianas. Dep. NBC (Correspondente da QBN brasileira). A pesar da péssima reputação da Cristanini s.p.a. no setor civil, seja na Italia, assim como no mundo, A.L. em primeiro lugar, que levaram a empresa a beira da falencia nos anos 2003-4, tanto que a nova fabrica, inaugurada a poucos anos, foi vendida e a produção voltou na antiga sede, que, não passa de um antigo galpão. Não tenho nada a dizer sobre os equipamentos NBC. Eles são realmente eficientes e servem para a destinação de uso.

    ResponderExcluir
  4. Como que eu faço se eu servi ou não ? Pq no dia que era pra mim ir eu nao fui

    ResponderExcluir