domingo, 20 de janeiro de 2013

Mergulhadores de Combate - Brasil

Mergulhadores de Combate - Brasil

Mergulhadores de combate da Marinha do Brasil. 
Os primeiros Mergulhadores de Combate (MeC) da Marinha do Brasil tiveram sua formação básica junto aos SEALs da US Navy, em 1964. Como resultado desta experiência foi criada em 1970 a Divisão de Mergulhadores de Combate. Mais tarde, outro grupo participaria do curso de Nageurs de Combat (Nadadores de Combate) da Marinha francesa. Assim, mesclando as técnicas do curso francês que privilegiava as operações de mergulho, com as do norte-americano que dava grande ênfase às operações terrestres, foi montada uma estrutura de treinamento perfeitamente adaptada às nossas necessidades. Atualmente denominado Grupamento de Mergulhadores de Combate (GruMeC), está diretamente subordinado ao Comando da Força de Submarinos e é composto por três equipes básicas de operações especiais (Alfa, Bravo e Charlie) e um Grupo Especial de Retomada e Resgate (GERR). A formação do MeC brasileiro nada fica a dever à de outros similares internacionais e é conduzido pelo CIAMA, centro de instrução localizado em Niterói (RJ). Para oficiais os requisitos iniciais incluem a aprovação em exames psicológico e médico, teste em câmara de descompressão e rigorosos testes físicos. O curso tem duração de 41 semanas, dividido em quatro fases, e objetiva habilitar os militares a operar equipamentos de mergulho, armamentos, explosivos, utilizar técnicas e táticas necessárias à execução das mais diversas missões de operações especiais, com ênfase especial ao planejamento dessas operações, já que o curso é específico para os oficiais que as liderarão. Para sargentos e cabos, com menos de 30 anos e que atendam às mesmas exigências do curso para oficiais, o treinamento dura 42 semanas de atividades instrucionais severas. Durante todo o período de ambos os cursos, os voluntários candidatos a MeC são submetidos a condições extremas de provações física e psicológica, sendo enfatizados os atributos de liderança em combate, sensatez, objetividade, improvisação e serenidade quando submetido a situações de risco ou estresse. O clima é sempre mantido o mais próximo possível daquilo que seria encontrado em uma situação operacional real e esta pressão constante faz com que somente cerca de 30 a 40% dos participantes consigam receber a aprovação final e conquistar o almejado distintivo dos MeCs da Marinha do Brasil. Realizar "ações específicas de guerra não-convencional em ambientes marítimos e ribeirinhos" seria a síntese de suas tarefas. Mas as complexas operações anfíbias têm no GruMeC um elemento virtualmente indispensável para que sejam bem sucedidas. Antes de qualquer desembarque, os MeCs são infiltrados no objetivo e devem colher uma gama de informações, como o grau de inclinação da praia a partir de sete metros de profundidade até a vegetação que circunda a areia, produzir um mapa com dados sobre o tipo de solo (areia, pedras, lama, etc), obstáculos naturais e artificiais (passíveis de demolição com explosivos), campos minados e até possíveis edificações e habitantes da área. Igualmente importante é a avaliação das forças de oposição, o que deve ser feito preferencialmente sem que haja o contato com o inimigo, embora estejam sempre preparados para um confronto que seja inevitável. Pode-se afirmar que o sucesso inicial de um desembarque anfíbio encontra-se nas mãos das equipes de MeCs infiltradas nas áreas-alvo dias antes da "Hora H" do "Dia D".

Mergulhadores de combate da Marinha do Brasil.





Nos demais campos da guerra naval suas missões incluem: destruir ou sabotar navios e embarcações, instalações portuárias, pontes, comportas de represas; capturar ou resgatar pessoal ou material; realizar reconhecimento, vigilância e coleta de dados de Inteligência; infiltrar e retirar agentes e sabotadores de território sob controle do inimigo; e interditar linhas de comunicação e de suprimentos em rios e canais. Para cumprir as tarefas descritas, os MeCs precisam ter à sua disposição variados meios de infiltração. O submarino, tendo em vista sua inerente discrição e capacidade de ocultação, constitui-se num dos principais meios utilizados. A partir dele os mergulhadores podem deslocar-se até o objetivo, usando equipamentos de mergulho, seja de circuito aberto ou fechado (este não produz bolhas, evitando sua detecção por elementos na superfície). Versáteis caiaques, de lona e dobráveis, para dois lugares, ou botes pneumáticos infláveis também podem ser lançados de submarino, auxiliando o deslocamento dos MeCs até o objetivo. A capacidade paraquedista dos integrantes do GruMeC amplia sobremaneira as suas possibilidades de emprego, estando aptos a saltar tanto de aeronaves de asa fixa, com saltos semi-automático livres, com abertura do paraquedas a baixa altitude (HALO) ou a grande altitude (HAHO), quanto de helicópteros. Neste caso o chamado "helocast" (salto livre, sem paraquedas, sobre a água) é uma das técnicas mais empregadas. O helicóptero oferece várias outras opções para transporte e inserção dos MeCs, como pouso de assalto e descidas por "rappel" ou "fast rope". O dia-a-dia dos membros do GruMeC constitui-se numa incontável gama de atividades, que vão muito além do seu constante adestramento, participando de todas as operações anfíbias da Esquadra, no apoio de lançamentos de torpedos e mísseis, em operações ribeirinhas na Amazônia e no Pantanal, assim como exercícios de retomada de navios e plataformas de petróleo. Visando manter-se atualizado nas técnicas mais avançadas em uso a nível mundial, o Grupamento tem procurado realizar intercâmbios com os seus principais congêneres de outros países. Alguns dos armamentos usados pelos MeCs incluem o fuzil de assalto Colt M-4, de 5,56 mm, submetralhadoras Mini-Uzi, de 9 mm, pistolas automáticas Taurus PT 92 AF, de 9 mm, e metralhadoras FN Minimi, de 5,56 mm. Para enfrentar ameaças blindadas utilizam-se do lança-rojão descartável AT-4, de 84 mm, com munição tipo HEAT e alcance efetivo de 300 metros. Os atiradores de elite (snipers) usam o fuzil Parker-Hale M.85, de 7,62 mm, de excepcional precisão (100% de acerto no primeiro tiro, com distância de até 600 metros), equipado com uma luneta Schmidt & Bender 6 x 42, de origem alemã. Equipamentos específicos incluem caiaques Klepper Aerius utilizáveis em qualquer condição climática e podendo navegar em mar aberto, rios e regiões pantanosa; monóculo de visão noturna Mini N/Seas de fabricação israelense, à prova d'água até 20 metros; minas de casco de pequeno porte, utilizadas para sabotar navios ou submarinos ancorados, dentre outros. Os Mergulhadores de Combate da Marinha do Brasil, ainda que em pequeno número, estão altamente preparados para responder a quaisquer ameaças em território nacional, seja no mar, nos rios ou em regiões pantanosas, não medindo esforços para cumprir com êxito as missões que lhes são atribuídas, pois como diz seu lema: "A sorte sempre acompanha os audazes" ("Fortuna Audaces Sequitur").


Nenhum comentário:

Postar um comentário