quinta-feira, 7 de junho de 2012

P-70 Macaé



Em 2006 a marinha brasileira iniciou um processo de aquisição de navios de patrulha e entrou em negociações com a empresa francesa CMN para a concepção de um derivado dos navios do tipo «Vigilante» adequado para as necessidades da marinha brasileira. A utilização de componentes de fabricação local, também permitiu que 60% dos componentes fossem de origem brasileira.

Os navios brasileiros estão equipados com motores com uma potência idêntica à dos outros navios do tipo, mas são ligeiramente maiores. Isso poderá explicar a velocidade máxima apontada para os Macaé, que é menor que a de seus equivalentes.
Porém, tratando-se de um patrulha pensado para estar na água durante vários dias, a questão da velocidade máxima é muito menos importante que a da autonomia.


O numero total de navios deste tipo que podem vir a ser construidos é desconhecido, Além de seis em construção, espera-se a aprovação da construção de mais seis unidades.
Os planos apontam para um numero que poderá atingir as duas dezenas[1], tornando esta classe na mais numerosa de todos os navios derivados do P400. Estas embarcações vão desempenhar um importante papel na guarda das águas territoriais e da Zona Economia Exclusiva brasileira. Eles destinam-se a operações de garantia da soberania e patrulhamento dentro da Z.E.E.


Os navios da classe Macaé, deverão no entanto ser complementados com uma nova classe de Navios de Patrulha Oceânica com um deslocamento entre as 1,000 e as 2,000 toneladas, que terão capacidade para operar em qualquer ponto do oceano.
[1] - Diversas fontes apontaram numeros que atingiram as 46 unidades. No entanto tais numeros nunca foram confirmados e no final de 2011 o número de 27 unidades foi referido pela marinha brasileira.


H i s t ó r i c o

O Navio Patrulha Macaé - P 70, é o primeiro navio a ostentar esse nome(1) na Marinha do Brasil, em homenagem ao municipio homonimo localizado na Região Norte Fluminense, que é responsável por 85% da produção de petróleo e 47% da produção de gás natural do país. Foi ordenado em ?????? de ???? como parte do 1º lote de duas unidades da classe, junto com o NPa Macau - P 75. Foi construído pelo estaleiro INACE - Industria Naval do Ceará S/A, em Fortaleza, seguindo o projeto da CNM, da França. Teve sua quilha batida em 24 de novembro de 2006, foi lançado ao mar em ?? de ?? de ???? e foi submetido a Mostra de Armamento em 9 de dezembro de 2009, em cumprimento a OD Nº 7/2009 do CEMA e ao disposto na Portaria nº 415, de 01/12/09 do CM, em cerimonia realizada em Fortaleza-CE.



Esses navios se destinam ao patrulhamento das Águas Jurisdicionais Brasileiras, devendo executar diversas tarefas, dentre elas as de, em situação de conflito, efetuar patrulha para a vigilância e defesa do litoral, de áreas marítimas costeiras e das plataformas de exploração/explotação de petróleo no mar e contribuir para defesa de porto; e, em situação de paz, promover a fiscalização que vise ao resguardo dos recursos do mar territorial, zona contígua e zona econômica exclusiva (ZEE), de repressão às atividades ilícitas (pesca ilegal, contrabando, narcotráfico e poluição do meio ambiente marinho), contribuir para a segurança das instalações costeiras e das plataformas marítimas contra ações de sabotagem e realizar operações de busca e salvamento na área de responsabilidade do Brasil.

D a t a s


Batimento de Quilha: 24 de novembro de 2006
Incorporação: 9 de dezembro de 2009

C a r a c t e r í s t i c a s

Deslocamento:  440 Ton (padrão), 500 ton (carregado).
Dimensões: 54.20 m de comprimento total, 50.0 de comprimento entre perpendiculares, 8.0 metros de boca, 4.6 m de pontal a meia naú e 2.48 m de calado.
Propulsão: 2 motores diesel MTU 16V 4000 M90 de 8000cv/hp cada, acoplados a 2 eixos com hélices de três pás e passo fixo.
Combustível: 90 mil litros.
Eletricidade: 3 grupos diesel geradores MTU.
Velocidade: máxima de 25 nós e máxima mantida de 21 nós.
Raio de Ação: 2.500 milhas náuticas a 15 nós.
Armamento:
Canhões / armamento principal
1 x Bofors / BAE Systems 40mm /L70 Mod.1958 (1 x) (Calibre: 40mm/Alcance: 12Km)
2 x Rheinmetal Defense 20mm Oerlikon/BMARC GAM-BO1 (Calibre: 20mm/Alcance: 2Km)
Sensores: Sistema de Navegação Sperry Marine Vision-Master, integrando display eletrônico de navegação o sistema de informação da Sperry Marine, giroscópios, ecobatímetros, radares de navegação, controles, gravadores de missão e outros sensores e subsistemas, formando uma solução completa para planejamento de rotas, navegação e pilotagem; radar de navegação Sperry Marine Vision Master FT-250.
Sistema de Dados Táticos: Terminal Tático Inteligente (TTI).
Equipamentos:
Radares - Kelvin Hughes KH-1007 (F) (Navegação - Al.med: 37Km)
Código Internacional de Chamada: PWAE
Tripulação: 35 homens, com acomodações para 43, sendo 5 oficiais (+2), 8 suboficiais e sargentos (+2) e 22 cabos e marinheiros (+4).


Navios constituintes da classe
Nr.                                  Nome Estaleiro               I.C.      E.S.      Situação
70     Macaé Fortaleza,    INACE                          2006    2009     Em serviço
71     Macau Fortaleza,    INACE                          2010    2011     Em serviço
72     Marcanã                 Rio de Janeiro, EISA      2009                 Construção
73     Marigogipe             Rio de Janeiro, EISA       n/d                    Encomendado
74     Matinhos                Rio de Janeiro, EISA       n/d                    Encomendado
75    Mangaratiba            Rio de Janeiro, EISA       n/d                    Encomendado


IC = Inicio de Construção ES=Entrada no Serviço Activo

2 comentários:

  1. 08 anos para construir um navio e ainda está paralisado por inconsistências contratuais...Salve Maracanã...

    ResponderExcluir
  2. uma versão alongada e armada com MAN-SUP nacionais seria util nao só em patrulha mas teria alguma capacidade ASuW. Incluindo sensores rebocados como TACTAS teriamos um capacidade de detecção passiva de submarinos:
    https://fas.org/man/dod-101/sys/ship/weaps/an-sqr-19.htm

    ResponderExcluir