quarta-feira, 30 de maio de 2012

SH-3B Seaking do Esquadrão HS-1


Criado através Decreto nº 55.627 de 26 de janeiro de 1965 que estabeleceu normas para o emprego de meios aéreos para as operações navais, reformulando a Aviação Naval e restringindo o emprego de aviões à Força Aérea Brasileira (FAB), tendo como conseqüência o Aviso nº 0830 (RESERVADO) de 28 de maio de 1965, do Exmo. Sr. Ministro da Marinha, Almirante-de-Esquadra Paulo Bosísio, que determinou a ativação imediata do 1° Esquadrão de Helicópteros Anti-Submarino (HS-1).

Com isso, os helicópteros SH-34J, tiveram sua operação transferida do 2° Esquadrão do Primeiro Grupo de Aviação Embarcado (1° GAE) da FAB para a Marinha do Brasil, onde receberam a denominação de SH-1 e ficaram conhecidos carinhosamente como “BALEIAS”.

SH-34J 
O HS-1 tem como missão detectar, localizar, acompanhar e atacar submarinos e alvos de superfície a fim de contribuir para a proteção das forças e unidades navais.

A chegada dos “Sea King” ao Brasil

Em 28/04/70, chegaram ao Brasil, a bordo do USS “America” , os quatro primeiros SH-3D (denominação americana), de numerais N-3007, N-3008, N-3009 e N-3010. Essas aeronaves começaram a operar no NAel “Minas Gerais” no mesmo ano. Nos anos seguintes, chegaram as aeronaves N-3011 e N-3012.


No ano de 1984, o Esquadrão recebeu quatro helicópteros designados SH-3A (N-3013, N-3014, N-3015 e N-3016), fabricadas pela empresa AGUSTA na Itália e trazidas a bordo do Navio-Transporte de Tropa (NTTr) Barroso Pereira (G 16).

Em 15/01/87, as aeronaves SH-3D N-3007, N-3010, N-3011 e N-3012, embarcaram no NTTr “Barrosos Pereira”, para serem transportadas para o porto de La Spezia (Itália), e encaminhadas para a fábrica da AGUSTA para modernização e capacitação para o lançamento do MAS EXOCET AM-39.

Retornaram ao Brasil em Maio de 1988 e também receberem a denominação de SH-3A no Esquadrão.

Em Abril de 1991, foi realizado o primeiro pouso a bordo do NAel “Minas Gerais” de um SH-3A armado com Míssil Ar-Superfície (MAS) AM-39 “EXOCET”.

No dia 11/11/92 foi realizado o primeiro lançamento real desse míssil, com a aeronave SH-3A N-3007 (Guerreiro 07) embarcada no NDD Rio de Janeiro (G 31) contra o casco do ex-CT Mato Grosso. Todo o exercício foi monitorado e acompanhado pelo CASNAV (Centro de Análise de Sistemas Navais), tendo o MAS atingido o alvo a uma distância de 20,2 milhas náuticas.

A realização desse evento fez com que o SH-3A se tornasse, até os dias de hoje, o maior braço armado da nossa Marinha.




Em 13/05/96, seis SH-3 Sea King (N-3017, N-3018, N-3019, N-3029, N-3030, N-3031) ex-USN, equipados com sonares mais modernos, foram recebidos pela MB na NAS Pensacola (FL) e trazidos para o Brasil a bordo do NAel Minas Gerais, quando então receberam a denominação de SH-3B.


Atualmente


Em 1970, foram recebidos quatro aparelhos SH-3D dos Estados Unidos. Foram entregues outros dois exemplares da mesma versão em 1972. O SH-3D era uma versão especializada na guerra anti-submarina fabricada para a US Navy. Dois destes aparelhos foram perdidos em acidentes.

Já em 1984, foram adquiridos da Agusta quatro ASH-3H com capacidade para disparar o míssil AM-39 Exocet. Os demais Sea King ainda em operação foram enviados a Itália para serem atualizados para o mesmo padrão. Todas essas aeronaves são designadas SH-3A na Marinha do Brasil. Um SH-3A foi perdido em um acidente.



Em 1996, foram adquiridos seis SH-3H usados da US Navy que foram revisados e receberam o sonar AN/AQS-18(V), muito superior aos usados nos SH-3A. Estes helicópteros foram designados SH-3B. Outros dois SH-3D foram comprados como fontes de peças.

Então, existem dois tipos de Sea King na Marinha do Brasil, um com capacidade para lançar o míssil AM-39 Exocet (SH-3A - 7 aparelhos) e outro com um sonar mais moderno (SH-3B - seis aparelhos).


Sea King na Marinha do Canadá.

Por causa da baixa disponibilidade e dos custos para manter estas aeronaves em operação, a marinha passou para a reserva algumas unidades. Atualmente, estão em operação apenas 4 SH-3A e 3 SH-3B, número considerado insuficiente.

Todos Sea King da Marinha do Brasil estão alocados para o 1º Esquadrão de Helicópteros Anti-Submarino (HS-1) que opera principalmente a partir do NAe São Paulo (A-12) e tem sua sede na Base Aeronaval de São Pedro d'Aldeia.



Designação Local:SH-3B
País: Brasil
Qtd: Max/inicial:13  
Em serviço:13
Situação: Em serviço

Os dados aqui referidos, dizem respeito às aeronaves recebidas em 1996 dos Estados Unidos., as quais dispunham de um sonar mais recente, tendo parte da sua electrónica sido compatibilizada com os restantes SH3 brasileiros.Do total de 16 unidades recebidas, quatro eram de origem italiana, sendo os restantes americanos.

Os ultimos seis helicopteros recebidos estão equipados com o sonar AQS-18(V) embora as células sejam mais antigas que as dos helicópteros comprados na Itália equipados com o AQS-13B.




Nenhum comentário:

Postar um comentário