sábado, 9 de fevereiro de 2013

S-30 Submarino Classe Tupi


A marinha do Brasil, tinha vindo a utilizar, desde o fim da segunda guerra mundial, submarinos de origem americana da classe Guppy. Nos anos 70, incorporou três submarinos britânicos da classe Oberon, deslocando 2400 toneladas. O plano de modernização da frota de submarinos, e a substituição dos velhos Guppy, levou o Brasil a analisar no mercado internacional quais as melhores opções que se apresentavam
.

Depois de ter analisado os submarinos Agosta e Sauro, de projecto Italiano, a marinha brasileira, optou por uma das versões do já então firmado modelo U-209 de submarinos alemães, que constitui a família de maior sucesso no mercado mundial de submarino, com mais de 50 unidades em operação.

Os U-209 Brasileiros, eram mais pequenos que os anteriores Guppy ou que os Oberon, que deslocavam 2400 toneladas e carregavam 24 torpedos, no entanto, a sua superior velocidade e muito inferior tripulação, tornavam-nos mais fáceis e baratos de operar e mais eficazes nas missões que lhes estavam destinadas. Os Oberon, estiveram ao serviço por cerca de 20 anos, e foram descontinuados depois dos Guppy, e à medida que os U-209 foram sendo incorporados.


No entanto, aquilo que distingue os TUPI dos seus predecessores, é que estes, após negociação com o consórcio alemão IKL, foram não só comprados pelo Brasil, mas também construídos no Brasil, no Arsenal da Marinha, no Rio de Janeiro. O primeiro navio, foi construído em Kiel, mas os seguintes são de fabrico brasileiro.







O TUPI, é um U-209-1400, idêntico em grande medida aos U-209 da Turquia, da classe Preveze, com a diferença de os navios brasileiros não terem capacidade para disparar mísseis anti-navio. Aliás, só os U-209 da Turquia e da Grécia, dispõem, dessa capacidade.

A construção do TUPI no Brasil, permitiu à marinha ficar capacitada para não só fabricar os navios, como para muito mais facilmente efectuar todas as manutenções que são necessárias durante a vida útil dos navios, o que até aí tinha que ser feito no exterior.

A classe Tupi começou a ser modernizada, de forma a que os seus sistemas fossem colocados ao nível do submarino Tikuna. O primeiro navio a ser modernizado foi o S33 Tapajó, que ficou pronto em 2011.



Informação genérica:
A família de submarinos U-209 é a mais proficua de todas as classes de submarinos ocidentais construidos depois da II Guerra Mundial.
Embora a marinha da Alemanha tivesse optado por uma classe de submarinos mais pequenos e adequados para operação apenas no Báltico, os estaleiros alemães desenvolveram o submarino U-209 para o lucrativo mercado de exportação.
O U-209 é baseado no U-206, mas tem dimensões muito maiores e ao contrário daquele, tem capacidade para operar no oceano e autonomia para se deslocar a grandes distâncias.
Embora genericamente chamados de U-209 por partilharem em grande parte um conceito comum, há na realidade várias séries de submarinos U-209 que se diferenciam entre si, sendo alguns deles facilmente identificaveis externamente.
O U-209 é um submarino que pode ser configurado conforme as exigências e necessidades dos clientes e daqui resultou que todas as séries tenham diferenças entre si.
As várias séries dividem-se da seguinte forma: 1000/1100, 1200, 1300, 1400 e 1500.
Os submarinos das primeiras séries (1000, 1100, 1200) identificam-se exteriormente por terem um base da vela claramente proeminente e não integrada no casco.
A série 1300, parece ser uma série de transição, em que há navios que ainda não incorporam o novo casco e outros (caso do Chile) em que as novas características já estão incluidas.
Os navios seguintes, da série 1400 e 1500 têm linhas mais hidrodinâmicas e limpas que os seus antecessores.

Série Tupi / Tikuna
Os submarinos U-209 brasileiros dividem-se em dois grupos, partilhando no entanto grande parte das suas características.
O submarino Tikuna fazia parte de uma segunda série de submarinos que foi entretanto cancelada, ficando restringida a uma unidade. Os antigos submarinos da classe Tupi, estão a ser modificados elevando-os a um nível próximo ao Tikuna.

Navios constituintes da classe

Nr.      Nome       Estaleiro                                                    I.C.    E.S.       Situação
S30     Tupi          HDW - Howaldtswerke Deutsche Werft    n/d    1989 -   Em serviço
S31     Tamoio     AMRJ (Rio de Janeiro)                              n/d    1994 -   Em serviço
S32     Timbira     AMRJ (Rio de Janeiro)                              n/d    1996 -   Em serviço
S33     Tapajó      AMRJ (Rio de Janeiro)                              n/d    1999 -   Em serviço

IC = Inicio de Construção ES=Entrada no Serviço Activo.



C a r a c t e r í s t i c a s

Deslocamento: 1.150 ton (padrão), 1.440 ton (carregado em mergulho).
Dimensões: 61.20 m de comprimento, 6.20 m de boca (7.60, incluindo os hidroplanos da popa) e 5.50 m de calado.
Propulsão: diesel-elétrica; 4 motores diesel de 12 cilindros MTU 12V493 TY60 de 800 hp cada, 4 geradores elétricos AEG de 420 Kw cada, 1 motor elétrico, acoplado a um eixo e um hélice de cinco pás, gerando 5.000 shp.
Combustível: 116 tons.
Eletricidade: 2 geradores de 1.280 kw cada.
Velocidade: máxima de 11 nós (superfície) e 21.5 nós (imersão).
Raio de ação: 10.000 milhas náuticas à 8 nós (superfície ou com snorkel), ou 25mn a 21.5 nós, 50mn a 16 nós, 230mn a 8 nós, e 400mn a 4 nós mergulhado usando o motor elétrico; e 50 dias de autonomia.
Profundidade máxima de mergulho: 250 metros.
Armamento: 8 tubos de torpedos de 21 pol. (533 mm), instalados na proa; e capacidade para 16 torpedos Mk 24 Tigerfish Mod.1 (filoguiado), ou ainda uma combinação de minas e torpedos.
Controle de Armas: sistema de direção de tiro e dados táticos Ferranti KAFS A10.
Sensores: uma de sonar STN Atlas Elektronik CSU-83/1, composta por um sonar ativo de média freqüência DBSQS-21 e dispositivos passivos laterais; 1 radar de navegação Thomson-CSF Calypso III; CME Thomson-CSF DR 3000U; 2 periscópios Kollmorgen Mod.76 e sistema de navegação inercial Sperry Mk 29 mod.2.
Código Internacional de Chamada: PWTU
Tripulação: 33 homens.

Nenhum comentário:

Postar um comentário