domingo, 13 de maio de 2012

A-29 SUPER TUCANO. Os Patrulheiros da Amazônia

A-29 SUPER TUCANO
Os Patrulheiros da Amazônia


FICHA TÉCNICA DE DESEMPENHO
Velocidade de cruzeiro: 530 km/h
Velocidade máxima: 593 km/h
Razão de subida: 1500 m/min
Fator de carga: +7, -3,5 Gs
Raio de ação/ alcance: 550 km (Hi Lo Hi)/ 4820 km (travessia com maximo combustível)
Propulsão: Um motor Pratt & Whitney Canadá PT-6 A 68C com 1600 Hp de potencia
DIMENSÕES
Comprimento: 11,33 m
Envergadura: 11,14 m
Altura: 3,97 m
Peso: 3020 kg (vazio)
ARMAMENTO
Até 1500 kg de cargas externas.
Ar Ar: Míssil Piranha
Ar Terra: Bombas MK-81 de 119 kg, Mk-82 de 227 kg, bombas guiadas a laser GBU-12 de 227 kg, casulos com 19 foguetes SBAT-70 de 70 mm Skyfire e casulo com canhão de 20 mm.
Interno: 2 metralhadoras FN M-3P calibre.50 (12,7 mm).

Um dos maiores sucessos da industria de defesa brasileira é, sem a menor duvida, o avião de treinamento Embraer EMB-312, mais conhecido como T-27 Tucano. Extremamente confiável e manobrável, este pequeno turboélice teve 662 unidades vendidas para nada menos que 13 países, incluindo a França e a Inglaterra. Com um sucesso desses, nada mais previsível de que o modelo servisse como base para um avião de treinamento avançado e ataque leve que pudesse vir de encontro com as necessidades que a Força Aérea Brasileira (FAB) estava apresentando. Essas necessidades são, na verdade, a origem do Super Tucano.
Vou fazer uma breve explicação dessa necessidade pois acredito ser relevante para entender a origem do Super Tucano. Com a projeto do Sistema de vigilância da Amazônia (SIVAM) que começou a ser implantado a partir de 1994 e se tornou operacional em 2002, a FAB tinha a necessidade de contar com uma aeronave que fosse adequada para operar contra pequenos aviões movidos a hélice, muito usados por narcotraficantes que se aproveitavam da lacuna da cobertura de radar do sistema de defesa aérea do Brasil naquela região para poder executar seus objetivos escusos. A FAB testou caças a reação como o F-5E e o F-103 (antigo Mirage III não mais em serviço) para interceptar esses pequenos aviões a pistão, mas a velocidade baixíssima desses aviões fazia os caças, mais pesados estolarem, demonstrando a total incompatibilidade daqueles caças com a função de interceptar esse tipo de alvo. Nisso a FAB começou a pensar na possibilidade de usar os T-27 Tucanos nessa função, porém foi percebido que o ideal, seria um avião mais potente e com uma avionica mais completa para a função de combate. Outra necessidade que apareceu foi a substituição dos velhos AT-26 Xavantes, que é o avião a jato de treinamento avançado em uso pela FAB e que já chegou ao fim de sua vida operacional.
Esses fatos todos coincidiram com outro fato interessante. A Embraer estava, nessa mesma época, em 1991, oferecendo uma versão do Tucano chamada de EMB-312 H que era um Tucano remotorizado e que tinha um tamanho maior que o Tucano mais antigo. Na verdade o EMB-312 H era uma espécie Tucano anabolisado. Uma analise deste modelo de Tucano com as necessidades da FAB para o braço armado do SIVAM e um substituto para o Xavante, demonstrou que o EMB-312H preenchia muito dos quesitos para a plataforma que a FAB procurava. Nascia assim o programa ALX (Aeronave de ataque leve) da FAB que visava o desenvolvimento de um novo avião baseado no EMB-312H. O novo projeto passou a ser chamado de EMB-314 Super Tucano.

O motor que era usado no modelo Tucano H era o Pratt & Whitney Canada PT-6 A-67 com 1250 Hp de potencia, e foi substituído, para uso no novo ALX, pelo mais potente Pratt & Whitney Canadá PT-6 A 68C com 1600 Hp de potencia que é controlado por um sistema FADEC. Esse aumento de força se mostrou necessário devido às dificuldades relacionadas a operações em ambientes muito quentes como o nordeste e norte do Brasil, que representa o principal teatro de operações que seria usado o Super Tucano. Além de um motor mais potente foi introduzida, também, uma nova hélice com 5 pás que aumenta a eficiência do motor. A velocidade máxima atingida pelo Super Tucano é de 590 km/h, colocando ele bem dentro do envelope de vôo necessário para interceptar aeronaves com motores a pistão usadas pelos narcotraficantes.
A estrela do Super Tucano é sua eletrônica. Nesse ponto pode-se dizer com tranqüilidade que o Super Tucano é o mais avançado avião turboélice em operação. O Super Tucano está equipado com um sistema de transmissão e recepção de dados via datalink fornecido pelo rádio Rohde & Schwartz M3AR (Série 6000) com proteção eletrônica das comunicações, como salto, criptografia e compressão de freqüências. Esse rádio é o mesmo usado pelos aviões R-99 AEW, F-5EM e nos futuros AMX A-1M. Através desse sistema de datalink o Super Tucano poderá receber dados do radar do R-99 permitindo uma maior consciência situacional, e também, enviar em tempo real imagens congeladas que forem captadas pelo seu sistema FLIR (Forward Looking Infrared) modelo AN/AAQ-22 Safire, fabricado pela FLIR Systems. O FLIR é usado para navegação através de uma visão infravermelha de alta resolução que funciona de dia ou a noite podendo, ainda, designar um alvo para ataque. Cabe observar aqui que o FLIR do Super Tucano está integrado ao óculos de visão noturna NVG ANVIS-9 da ITT, garantindo uma total capacidade de operações noturnas ou com baixa visibilidade com segurança. Para proteção da aeronave há um sistema de alerta de radar RWR e um sistema de alerta de aproximação de míssil MAWS. Há, ainda, um lançador de iscas tipo chaff e flares para despistar mísseis guiados a radar e a calor (IR).

odos esses sistemas são controlados de uma cabine especialmente feita para facilitar a vida do piloto, podendo ser considerada, também a mais moderna cabine de um avião turboélice em serviço atualmente. Nesta cabine há dois displays multifunção e um HUD que conta com todas as informações de navegação de monitoramento do alvo, incluindo aqui o ponto de impacto continuamente monitorado CCIP e o ponto de lançamento continuamente computado CCRP, o que aumenta, substancialmente a precisão do lançamento das armas. Nesta cabine, o piloto fica sentado em uma “banheira” blindada, capaz de suportar impactos diretos de munição .50 (12,7 mm). Essa blindagem foi instalada nos tanques internos do Super Tucano, também.
Outra melhoria no cockpit do Super Tucano foi a instalação de um sistema de geração de oxigênio OBOGS que produz oxigênio do próprio ar e o sistema HOTAS, foi usado na configuração da cabine permitindo ao piloto operar os principais sistemas do avião sem tirar as mãos do manete e do manche.

O armamento disponível para o Super Tucano é bastante variado e relativamente pesado, chegando a um total de1500 kg, considerando que se trata de um avião turboélice. O armamento básico é composto por duas metralhadoras FN Herstal M-3P calibre .50 (12,7 mm) com uma capacidade de 200 cartuchos e uma cadência de tiro na ordem de 1100 tiros por minuto. Nas asas do Super Tucano existem 4 pontos duros para transporte de armas e tanques de combustível, além de um ponto no ventre do avião. Nesse 5 pontos, podem transportar mísseis ar ar Piranha guiado por IR, de fabricação nacional, e cujo alcance chega a 10 km, que podem ser usados eficazmente contra helicópteros ou outros aviões. Para ataques a alvos terrestres podem ser usadas bombas MK-81 de 119 kg, bombas MK-82 de 227 kg, ou bombas guiadas a laser GBU-12, que foram integradas pela Colômbia, além de casulos de foguetes de 70 mm Avibras SBAT-70 com 19 foguetes. Também podem ser transportados casulos com canhões de 20 mm.
Ao todo foram encomendados 99 Super Tucanos pela Força Aérea Brasileira, um numero respeitável de vetores que farão o treinamento de pilotos que estiverem ingressando para a aviação de combate da FAB, além de garantir o patrulhamento dos céus da Amazônia contra o trafico de drogas e armas. As capacidades aqui mostradas colocam o Super Tucano como um interessante avião de apoio aéreo aproximado para as tropas em terra. Uma flexibilidade que justifica seu valor tático para a força.









11 comentários:

  1. Muito legal. Tem muita gente que menospreza esse avião por ser turboélice,acham antigo, mas pelas fotos da cabine da para ver que ele é muito moderno, e atende as necessidades da FAB, parabéns pelo belo post.

    ResponderExcluir
  2. Bom dia amigo
    Muito obrigado
    O A-29 e um ótimo avião de ataque e treinamento, o melhor de sua categoria, não e atoa que e o preferido da concorrência para equipar a força aérea da Afeganistão e Americana.
    Abraço..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    3. Acho o A 29 super tucano muito lindo e além de bonito é muito eficaz pra o que foi designado. A única coisa que acho que "pecaram" no A 29 é o fato do motor só chegar a 520 km/h em velocidade de cruzeiro. Ainda que seja pra interceptar aviões a pistão, na segunda guerra mundial qualquer bf 109 ou fw 190 chegava a 690 km/h, isso em 1945, não entendo porque a força aérea optou por um motor com potência relativamente tão "baixa"

      Excluir
  3. Primeiramente, gostaria de parabenizá-lo pelo post. No entanto, você saberia dizer se o a-29 é capaz de ser armado com mísseis Python ? Abraço

    ResponderExcluir
  4. bom dia amigo, Muito Obrigado.
    sim o Super Tucano pode levar Python 3 ou Python 4 mas usamos o Piranha como arma Padrão em combate aéreo aproximado.

    ResponderExcluir
  5. Bom admirei pela potencia para defender nosso pais? mas como o Brasil inventou o avião devia construir mais nave com mais velocidade e da emprego aqui no pais ? do que ficar comprando de fora

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Acho o A 29 super tucano muito lindo e além de bonito é muito eficaz pra o que foi designado. A única coisa que acho que "pecaram" no A 29 é o fato do motor só chegar a 520 km/h em velocidade de cruzeiro. Ainda que seja pra interceptar aviões a pistão, na segunda guerra mundial qualquer bf 109 ou fw 190 chegava a 690 km/h, isso em 1945, não entendo porque a força aérea optou por um motor com potência relativamente tão "baixa"

    ResponderExcluir